segunda-feira, 27 de fevereiro de 2006

Reflexão

"O orgulho de um conquistador empalidece comparado à ostentação do devoto que dirige-se ao criador. Como se pode ser tão atrevido? E como poderia ser a modéstia uma virtude dos templos, quando uma velha decrépita, que imagina o Infinito a seu alcance, eleva-se pela oração a um nível de audácia ao qual nenhum tirano jamais aspirou?"
(Emil Cioran in Breviário de Decomposição)

Ceticismo? Antagonismo? Paradoxalmente minha fé absorve o niilismo e aumenta em si mesma. Ela é segura o suficiente para flertar com os abismos (posto que minha própria alma é um abismo) e extrair do niilismo mais verdades sobre a Teologia do que poderia fazê-lo com os 'profetas do novo evangelho' e suas teologias que defendem a salvação barata e a vitória sem sacrifício.
Seremos de fato atrevidos em nos dirigirmos ao Criador para lamentar nossos dias e pedir que Ele tome providências favoráveis ao nosso respeito? Estaremos exercendo um direito legítimo quando O buscamos como crianças mimadas implorando melhor sorte? Deus é o Senhor a quem devemos reverência independente de circunstâncias ou é simplesmente o gênio da lâmpada, disposto a atender nossos pedidos?...
(Dáuvanny Costa)

Um comentário:

acediaa disse...

Lista de discussão em português sobre Cioran:

http://www.geocities.com/PlanetCioran

Planeta_Cioran-subscribe@yahoogrupos.com.br