segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Aos sensatos

(...) "O rapaz [Lindembergue], que saiu ileso das coisas miseráveis todas que fez, é preservado também no noticiário, e sua versão está circulando nos jornais — só teria atirado depois da invasão. A ela, nota-se, dá-se uma credibilidade superior à versão da polícia. O Brasil é assim: ama os seus bandidos, os seus algozes. A imprensa, em particular, tem uma espécie de tara para santificar o crime e os criminosos.
A polícia poderia ter matado Lindembergue nas vezes em que apareceu à janela? Talvez. E não estaria sendo agora menos atacada se o tivesse feito. Mais um filme estaria em curso, é provável, com patrocínio das estatais, poetizando a bandidagem e fazendo sociologia barata sobre as origens econômicas da violência etc e tal... Já conhecemos isso tudo, não é mesmo?"
(Reinaldo Azevedo)

Recomendo os excelentes artigos: "O nome do criminoso" (de onde extraí o trecho supra) e "A tragédia de Santo André: e nós com isso?" Ambos no blog do Reinaldo. No mais, decerto o Brasil ama os seus bandidos, basta olhar para o Palácio do Planalto [...].

Um comentário:

Filipe Liepkan disse...

o blog do reinaldo é excelente. praticamente profetiza futuras manchetes de jornais ao citar argumentos padronizados da esquerda e, também, da mídia paulista.

o engraçado é perceber que a vinculação do padrão estabelecido das famosas críticas ao corpo policial se alastra pelas capitais como vento. conjecturas são feitas, para ao final afirmarem (sem coincidências, claro) que 'marta resolveria esse problema'.